Qual será a profissão do meu filho? Por Angelique Damadá

1010
0
Qual será a profissão do meu filho
Qual será a profissão do meu filho




Os pais já começam a olhar o mercado de trabalho em diversos ângulos visualizando o mercado de um futuro próximo, sem deixar de pensar nos filhos. Oferecem estudo e conhecimentos aos filhos desde cedo. Enviam para escola e acompanham suas lições de casa.

Mas quando o assunto é profissão? Como fica a opinião de um pai ou uma mãe para seus filhos, diante um mercado desestabilizado que vivemos? Como dar dica de uma profissão? Eis a questão!

Qual será a profissão do meu filho?

Pesquisas da CATHO abordam que 74,77% dos pais não gostariam que os filhos optassem por clonar sua carreira, enquanto 64% confessam que já sugeriram, em conversa, uma determinada carreira para o filho. Com o mesmo objetivo: que os filhos tenham melhor, ou maior, qualidade de vida do que eles mesmos estão tendo.

A maioria dos pais já começam a conversar com om os filhos sobre a questão desde cedo. Mas na verdade o foco é realmente a qualidade de vida (75,09%). Os pais gostariam que a qualidade de vida fosse referência na hora de um filho escolher um emprego, ou projetar sua carreira.

Na minha opinião, os pais devem oferecer conhecimento para que os filhos tenham capacidade de fazer escolhas, dar oportunidade para eles entenderem o que é melhor para suas próprias vidas. Pois quando um profissional faz o que ama, com determinação, é mais fácil de alcançar a qualidade de vida desejada.

São muitos profissionais de sucesso, e com qualidade de vida esplêndida, que seguiram a teoria de fazer o que amam, valorizando seu próprio talento e tendo carreira exemplar. Lembrando que qualidade de vida não é sinônimo de dinheiro.

 Claro que os pais devem dar liberdade aos filhos para escolhas, mas com companheirismo, educação, amor, opinião e questionamentos sobre o mercado e o mundo que vivemos.

 Dê sua Opinião!

Comentários

comentários

Artigo AnteriorSegredos do Adsense: o que esperar do curso?
Próximo ArtigoRoupa para advogado – Faz diferença?