Informações 2020 sobre o coronavírus (Covid-19)

70
0
COMPARTILHAR
coronavirus

Doença e risco de coronavírus (COVID-19)

COVID-19 é uma doença causada por um vírus respiratório identificado pela primeira vez em Wuhan, província de Hubei, China. Este é um novo vírus que nunca havia causado doenças em humanos. O COVID-19 se espalha como resfriados ou gripes através de:

  • tosse e espirros, o que cria gotículas respiratórias
  • contato pessoal próximo, como tocar ou apertar as mãos
  • tocar um objeto ou superfície com o vírus nele

Os sintomas do COVID-19 incluem:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar
  • Em casos mais graves, pneumonia (infecção nos pulmões)
  • O risco individual depende da exposição. Avaliação de risco atual:
  • Para a maioria do público brasileiro, que provavelmente não será exposto a esse vírus no momento, o risco imediato para a saúde do COVID-19 é considerado baixo.
  • Os profissionais de saúde que cuidam de pacientes com COVID-19 têm um risco elevado de exposição.
  • Contatos íntimos de pessoas com COVID-19 também apresentam alto risco de exposição.
  • Os viajantes que retornam de locais nacionais e internacionais afetados onde a disseminação é alta também têm um risco elevado de exposição.
  • Se você estiver doente, ligue para o seu médico para discutir seus sintomas antes de ir a hospitais, postos de saúde ou consultório médico.

 O que você pode fazer para se proteger de doenças infecciosas

Embora se acredite que o risco imediato do coronavírus (COVID-19) para a maioria da população seja relativamente baixo no momento, todos podem fazer sua parte para nos ajudar a responder a ameaça à saúde pública emergente:

Atualmente, o Ministério da Saúde recomenda tomar uma vacina contra a gripe, cujo início está programado para o dia 23/03, tomar ações preventivas diárias para ajudar a parar a propagação de germes e tomar antivirais da gripe, se prescritos.

Prevenção de infecções respiratórias virais. Proteja-se de ficar doente.

  • lave as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos
  • use um desinfetante para as mãos à base de álcool com pelo menos 60% de álcool se água e sabão não estiverem disponíveis.
  • evite tocar nos olhos, nariz ou boca com as mãos não lavadas
  • evite contato próximo com pessoas doentes
  • fique em casa enquanto estiver doente
  • evite contato próximo com outras pessoas
  • cubra a boca e o nariz ao tossir ou espirrar
  • limpar e desinfetar objetos e superfícies
  • evite áreas de grandes aglomerações como shopping centers, academias, bares, etc.
  • Se você é um profissional de saúde, esteja atento às pessoas que viajaram recentemente dos países e Estados da federação afetados e que apresentam febre e sintomas respiratórios. Siga as orientações fornecidas pelo Ministério da Saúde. Estas orientações serão atualizadas conforme necessário. Se você é um profissional de saúde que cuida de um paciente da COVID-19, cuide-se e siga as recomendações das autoridades sanitárias.
  • Se você esteve em países afetados ou foi exposto a alguém doente com COVID-19 nos últimos 14 dias, você enfrentará algumas limitações no que se refere a sair de casa e praticar ceras atividades. Por favor, siga as instruções das autoridades durante esse período. Sua cooperação é parte integrante da resposta contínua à saúde pública para tentar retardar a propagação deste vírus. Se você desenvolver sintomas COVID-19, entre em contato com seu médico e informe-o sobre seus sintomas e sua viagem ou exposição a um paciente com COVID-19.
  • Para pessoas doentes com COVID-19 ou influenza sazonal diagnosticada, siga as orientações do Ministério da Saúde sobre como reduzir o risco de espalhar sua doença para outras pessoas.
  • Atualmente, não há recomendações para a população em geral usar máscaras faciais. Somente pessoas infectadas, gripadas ou que trabalham na área da saúde devem usar este acessório.

O que empresas e governos podem fazer para se preparar

O primeiro passo é a informação, devem ser realizados reuniões ou distribuídos informativos com dicas de higiene e prevenção aos colaboradores.

Também devem ser distribuídos frascos de álcool em gel pela empresa e os ambientes devem se manter arejados, se possível reduza o uso de ar condicionado e utilize o máximo a ventilação das áreas.

A orientação do Ministério da Saúde é que seja reduzido os contatos físicos e aglomeração de pessoas, e o home office é uma saída.

Para empresas em que a operação seja realizada por computadores, é possível a utilização de controle de ponto on-line, e o gestor pode ainda controlar o trabalho por metas e entregas pré-estabelecidas para que os funcionários desempenhem suas funções remotamente.

As ações do Ministério da Saúde estão descritas em um Plano de Contingência a ser seguido pelo governo federal. Cada Estado também publicou um planejamento parecido.

Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Clovis Arns da Cunha, as precauções necessárias variam conforme a cidade onde cada pessoa vive — em São Paulo (SP), faz sentido evitar aglomerações, o que não acontece ainda em São Luís (MA). Por isso, é importante estar atento à evolução do número de casos na sua cidade ou região.

“É como se a epidemia fosse um paciente de UTI. Hoje, ele está bem, mas você me pergunte amanhã”, diz. “No Paraná, por exemplo, fechar escolas e universidades ainda não é uma coisa adequada. Mas em São Paulo, sim”, diz ele à BBC News Brasil. A suspensão gradativa das aulas foi anunciada por diversos governos estaduais.

Arns — que participou da elaboração do planejamento do Ministério da Saúde — diz que a resposta do país até o momento tem sido adequada. A exceção, segundo ele, foi a decisão do governo do Distrito Federal de suspender aulas na capital já na semana passada, quando ainda não ocorria a chamada transmissão comunitária da doença.

Todos os casos em Brasília naquele momento eram importados, diz Arns, e o fechamento de escolas só deve ser adotado quando o vírus já está circulando em uma certa região.

Ainda segundo Arns, a resposta ao coronavírus pode até ter um lado positivo para o Brasil — o saldo de educação da população e de preparação do sistema de saúde pode ser benéfico para reduzir os casos de gripe comum, que infectam pessoas e fazem vítimas todos os anos.

Veja a contagem atualizada de casos de coronavírus no mundo clicando AQUI

Comentários

comentários