Como falar com o Juiz e resolver seus processos

11527
0
COMPARTILHAR
Como falar com o Juiz
Como falar com o Juiz

Como falar com o Juiz

Pedir talvez seja um dos maiores entraves para muitos advogados. Na verdade pedir é uma arte dominada por poucos. Infelizmente para muitos essa é a pior parte da arte de advogar, entretanto, é um dos ofícios do advogado: pedir.




Não por menos a peça inaugural de um processo se chama petição (ato de pedir). Você está, na maior parte do tempo, pedindo para que o Estado force alguém a fazer algo por seu cliente (dar, entregar, deixar de fazer…).

E nesse processo é essencial uma boa comunicação com aquele que será o representante do estado em suas ações: o juiz. O advogado tem a prerrogativa de falar com o juiz a hora que for, sem precisar marcar hora e sem necessidade de qualquer outra formalidade. Isso é o que aprendemos ao estudar o Estatuto da OAB.

Entretanto, no mundo real, o negócio é mais embaixo. Você tem sim o direito de falar com o Juiz, mas tem que saber a hora e o jeito certo. Não é ir adentrando o gabinete e despejar os problemas do seu cliente para o magistrado. Não, isso certamente não funcionará e você provavelmente não resolverá seus problemas.

Pensando nisso, separamos algumas dicas para que você tenha maiores chances de ver seu pleito atendido na hora de ter aquela conversinha com o magistrado que atua em seu caso. Vamos lá.

Saiba o que falar para o Juiz

 Vá preparado para saber responder detalhes sobre o processo. Saiba exatamente o que falar ao Juiz. Não estamos falando em fala decorada, mas em uma abordagem sucinta, deixando bem claro ao Juiz o que você quer e porque quer. Se for de improviso, tenha certeza de que está seguro de fazer isso. Se não, melhor mesmo é deixar pra outra hora.

Uma das grandes queixas entre os magistrados é de advogados que tomam muito o seu tempo por problemas que não poderão ser resolvidos naquele momento. Eles costumam dizer que o tempo perdido falando com o advogado é o tempo que ele poderia estar despachando e dando andamento nos seus processos.

Por isso, tenha em mente que aquele cidadão, em que pese não ser um Deus, tem muito pouco tempo para atendê-lo. Então, seja direto e se faça entender. Nada de contar o processo desde o começo, com explanações sobre como seu cliente está sofrendo com o atraso nos prazos processuais e blá, blá, blá. Juiz dificilmente admite que está atrasado com seus processos e quando o fazem colocam sempre a culpa no acúmulo de trabalho.

Então, seja sucinto e fale apenas sobre o que interessa no processo e qual ponto específico você quer que seja resolvido. Uma boa dica é pedir para que o processo suba concluso e, assim, o magistrado já tenha os autos em mãos e esteja a par do problema do seu cliente. Isso facilita bastante.

Seja honesto ao falar o Juiz

Não tente, de forma alguma, enganar o Juiz contando mentiras sobre o seu cliente. Essa dica serve ainda mais para quem trabalha na área criminal.

Dizer que seu cliente não possui outros processos criminais, por exemplo, tentar enganar os funcionários da secretaria tirando peças de processos físicos e outros artifícios. Não faça isso. A maioria das táticas desonestas são conhecidas pelos funcionários do judiciário e há uma grande chance de você ser desmascarado e desacreditado pelo resto de sua carreira. É mais difícil se livrar da má fama do que construir a boa.

O Juiz não é inocente, ele não está ali por sua falta de malícia. Ele, pelo contrário, está armado contra advogados que vão lá tentar enganá-lo na lábia com falácias. Ele pode até cair uma vez, mas não em todas.

Construa uma carreira sólida, mas consciente.

Se você é bom de argumentos, use isso com sabedoria e a favor do seu cliente, seja honesto com o Juiz. Certa vez um juiz me confidenciou que prefere quando o advogado fala exatamente o que aconteceu a quando ele tenta camuflar ou mente sobre o ocorrido.

Se seu cliente quebrou albergue, por exemplo, vá até o juiz e fale o que realmente aconteceu. Diga ao juiz que seu cliente errou, mas está disposto a reparar o erro, não quer fugir da justiça, a prova é que está aqui na sua frente e não fugindo. Tenha certeza, há muito mais chances dele não receber uma regressão agindo desta forma.

Se ao contrário você entrar com uma porção de atestados falsos, há uma grande possibilidade de dar errado. Já vi juízes oficiarem ao médico ou mandar assistente social para saber a real situação do apenado nestes casos.

Desta forma, a melhor prática que o advogado pode empregar é o da verdade e sinceridade. Além de você ter uma grande chance de conseguir o que quer, vai ter enorme prestígio perante o Juiz.

Sempre que possível, faça uma petição antes de falar com o Juiz

Sempre peticione explanando o problema antes de falar com o juiz.

Não adianta, por mais que você fale e se deixe entender, o juiz invariavelmente ao final de sua fala vai dizer: o senhor protocolou esse pedido doutor? Ou: o pedido está nos autos?

Então, antecipe-se ao magistrado e faça o pedido escrito e depois reforce falando com o juiz. Sempre de forma resumida e direta, expondo o problema e pedindo a solução. De preferência a solução que você já pediu na peça.

Não force intimidade com o Juiz

Por mais que você tenha intimidade com o magistrado, ele não está lá como amigo, mas como julgador imparcial. Ninguém gosta de muita intimidade em seu local de trabalho. Imagina se um amigo entra em teu escritório e te chama de viado, maconheiro, safado na frente dos teus clientes. Você se sentiria à vontade? Por mais que você goste daquele amigo, não né? Isso deixa uma ma impressão. Agora imagina a mesma situação envolvendo teu amigo que é magistrado…

Então, deixe as intimidades para o jogo de futebol ou para as rodas restritas de amigos. É lá que elas devem ficar.

E se você não tem amizade ou intimidade com ele, não tente comprá-las com uma rodada de cerveja ou um convite para seu casamento. A não ser, é claro, que ele demonstre interesse. Pior ainda, não o chame para ser padrinho de seu filho. Juízes sabem o interesse que envolvem sua pessoa e tentar comprá-lo pode ser o passaporte para o travamento dos teus processos.

Manter uma boa relação com a Secretaria Judicial é como falar com o juiz

Uma última dica que iremos dar hoje é uma dica de ouro. Manter um bom canal de comunicação com os funcionários que compõem a serventia judicial é sempre uma boa pedida. Eles podem ser grandes aliados para que seus pedidos sejam atendidos com mais rapidez e eficiência.

É sabido que muitos despachos e decisões simples podem ser influenciadas pelos servidores do judiciário. Existem normas internas dos Tribunais que delegam ao Secretario Judicial alguns despachos de mero expediente, conforme orientação do próprio CNJ. Isso é reflexo da desproporcional relação Número de Juízes x Quantitativo de Processos que tramitam no judiciário atualmente.

Desta forma, um bom contato dentro de uma secretaria pode evitar meses de processos parados precisando de um simples impulsionamento. Existem advogados que mal tratam com os Juízes. Eles simplesmente conversam com o assessor, analista ou secretário judicial e conseguem fazer com que seus processos andem rápido.

Isso significa que ao falar com um destes funcionários, você está falando indiretamente com o Juiz. Desta  forma, você tem grande chance de ver seus processos fluírem com a agilidade que se espera do Judiciário. Lembre-se: advogado diligente é sinônimo de advogado eficiente.

Então, fica a dica: converse mais com os funcionários do fórum e deixe para falar com o juiz apenas o necessário. Trate com ele assuntos que realmente decidirão de forma eficaz o rumo do processo.

Por hoje é só e deixamos o recado: não cometa erros de iniciante, vá preparado para todos os atos processuais e estude bastante. Isso vai te garantir uma carreira de sucesso na advocacia.

RECEBA NOSSO CONTEÚDO VIP!
Dicas semanais incríveis!
Respeitamos sua privacidade. Seu e-mail não será compartilhado.

E se você tem mais dicas para repassar aos colegas, é só deixar um comentário. Nós teremos o prazer em publicá-los.

Comentários

comentários